terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

[Silver] Maria Voltou.

A cabeça não para de pensar,
E o danado do coração não quer escutar.
Pensa que a vida é boa, 
Bate sem se importar,
Com a dor no peito,
A ausencia e o desejo.

E nessa rincha, entre a cabeça e o coração,
O corpo padece, 
Se estremece,
Sangra sem rasgar.

O que dói mesmo é a dor da duvida.
A brigar entre o amor e a luxuria.
O Sentir-se despedaçado, inteiro.

Se não fosse os demônios da alma,
Seria a esperança do amor.


Mas parece que o Amor acabou [em meu peito].


Te Amor

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

[Silver] 8 Pecado Capital - Desamor

Lá vem eu, cá comigo e conosco.

Barato leitor, gostaria de convida-lo para o acaso, o desenrolar dos fatos, lhe convidar para um deslumbrante caminhar nas nuvens, sobre o sol.
Vou me resguardar do exagero meu, que guardo em meus tombares bêbados, mas não vou lhe perdoar do pecado.

Barato leitor, como anda seu coração?, Teus medos e tua fazenda de borboletas barragueiras (aquelas que temos na barriga)?

Pois bem, vou confessar-lhe meu mais nocivo pecado, o desamor.
Você consegue avistar num futuro aos nossos pés, esse oitavo pecado capital?

Ah, meu mais querido ou querida, entramos sem ver nesse navio fantasma, que cruza rios de féu, que navega para o desamor.

Digo-lhes com pouco exagero, mas com certeza impar, que se não saltarmos pro céu, não teremos absolvição do Amor.

Eu me perdi...

Volto a falar do caminhar nas nuvens, mas não consigo me imaginar andando sobre elas, afinal, pecados pesão mais que chumbo.
Consegue imaginar essa balança invisível?

Oras, outro dia subi na minha e ela marcou 5 mil quilos invisíveis de pecado, juro que tirei meu relógio pra tentar aliviar o peso, mas o tempo não tinha tanto peso, pois só lhe valia um segundo por segundo.

Seria barato leitor, um caso isolado, mas vi em olhos alheios o mesmo sentimento, o mesmo descaso.
Parece-me que se perdeu em baixo desse amontueiro de pecados parte do bom, do que de fato é valido.

Espero esta [muito] errado.







terça-feira, 22 de novembro de 2016

[Silver] Perdão ao Amor

Eu pediria perdão, se essa fosse a solução, mas pra amor tem o que perdoar não.
Só o amar é a solução.

Cá eu, vou num caminhar bêbado,
Me engraçando com seu balançar dos quadris.

Te Amor.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

[Silver] Quando você se torna desinteressante?

Quando você se torna desinteressante?

Um sorriso largo e falso... um brinde.

domingo, 18 de setembro de 2016

[Silver] A gente ta perdendo é tempo

Eu tava pensando aqui, certo mesmo era a gente se amar.
Sem esse negocio do que o povo vai pensar.
Certo mesmo era a gente se jogar na cama, ou na área do mar.
E se amar de jeito a não querer parar.
E se não bastasse, a gente ia andando por ai, de mãos dadas e gargalhadas ao luar.
Sem essa picuinha besta de se encabular.

Tu deixava de lado a minha burrice e eu teu aperreio.
A gente ta é perdendo tempo, deixando desencantar.
Vou logo avisando, tudo que eu tenho, a única coisa que tem valor é minha vontade de amar.

O resto o tempo leva, as regras condenam e a terra come.


Te Amor.

domingo, 1 de maio de 2016

[Silver] Se fosse só beleza, vá.

eu queria que fosse só beleza,
que nao passa-se de curvas,
que não passa-se de formosura.


Mas ai tu me vem com essa lindeza,
com esse sorriso [torto] de princesa,
com esse olhar que da luz ao sol.


falando da sua vida e sonhos,
falando desse encanto que é você.


parece que tem o poder de fazer o avião não mais partir,
o céu nunca mais se escurecer,
meu sorriso nunca mais desaparecer,
e o sol explodir,
e a gente se amar, e amar e amar.




Te Amor.

sábado, 5 de março de 2016

[Silver] Lua de Mel

Hoje eu não poderia escrever,
Nada sobre você.

Nem que me pus a imaginar,
Que você ia me lamber,
Depois me morder,
E eu te devorar.

Nem queria imaginar,
Minha cabeça a avuar,
Sem poder aterrizar,
E nem poder enlouquecer.

Eu que não vou imaginar, 
Nós dois a se amar,
Nós dois a se gostar,
Nós dois a se perder,
Adipois se lambuzar.

Dai a gente esquece,
De rezar uma prece, 
Que essa lua de mel não se apresse,

De logo acabar. 



Fugir da regra pra agradar, não vale, mas também seguir uma regra em desagrado também não vale.
Um dia eu aprendo a pensar antes de escrever, e quando esse dia chegar, talvez não tenha mais graça.


Te Amor.

domingo, 17 de janeiro de 2016

[Silver] Escravos modernos, escravos Brasileiros

escravidão (denominada também de escravismoescravagismo ou escravatura[1] ) é a prática social em que um ser humano assume direitos depropriedade sobre outro designado por escravo, ao qual é imposta tal condição por meio da força. Em algumas sociedades, desde os tempos mais remotos, os escravos eram legalmente definidos como uma mercadoria. Os preços variavam conforme as condições físicas, habilidades profissionais, a idade, a procedência e o destino.

Bom dia Caros ou Baratos escravos, digo, Leitores.

A crise no Brasil vem aumentando a dias, como consequência o preço dos produtos também, mas para nossa alegria, como de praxe o salário mínimo teve um aumento suficiente para equiparar o aumento dos produtos, certo?
Errado!
Mas o que queria expor aqui não é sobre o salário mínimo em si, e sim lembra-los caros leitores, a mascara que nosso país veste, A Lei Imperial n.º 3.353, mais conhecida como Lei Áurea, sancionada em 13 de maio de 1888, chamo-a de mascara, pois infelizmente caros, no Brasil ainda temos milhões de escravos com carteira assinada.
Estamos falando de mais de 75% da população brasileira que ainda esta sobre o sistema de escravatura, digo isso, pois infelizmente o valor ilusório do salário mínimo foge bruscamente do que por lei ele é obrigado a atender, conforme consta no "Art. 7, inc. IV da Constituição Federal de 88:
IV - salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim;"


Nunca aprendi a conviver com o descaso contra o humano, seja ele qual for, mas esse sistema mascarado de escravidão é algo que me incomoda muito mais.
Entendo a salva de mimimis de quem diz, "que para alcançar salários dignos devemos estudar" e etc., entretanto essa verdade não pode engolir a de que milhões de seres humanos trabalham por vezes beirando a exaustão para tentar, sobreviver com esse "salário".

O salário mínimo hoje (17/01/2016) esta em R$ 880,00 sendo que dentro do quadro atual que vivemos, um salário para atender ao que diz no art. 7, inc IV da CF (necessidades básicas) deveria estar em torno de R$ 3.400,00, é caro leitor, não é preciso ser um expert em matemática para ver que há uma diferença gritante.
Ah, e antes que venham dizer que esse valor de R$ 3.400,00 é abusivo, não, não é, desde que nossos governantes deixem extorqui os empreendedores e que façam o uso correto do dinheiro publico.  

Por isso volto a bater na tecla de que infelizmente vivemos em um país mascarado e que compactuamos ainda com a escravidão só que dessa vez não usam do chicote para açoitar os nossos escravos, utilizam do poder sobre a necessidade de sobrevivência humana e de forma "legal".
Infelizmente não sei ao certo o que pode ser feito, tão pouco o que espero, afinal, me parece interessante manter o sistema de escravidão como esta, pois quem se importa com o próximo nos dias de hoje? Você caro leitor? Eu?

Banalizamos a humanidade, banalizamos a vida.

 

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

[Silver] Amor Pirateado


Ah, jovem leitor, não se chateie, o Amor não acabou, apenas foi pirateado. Assim como os CD`s (lembra-se deles?) o Amor foi pirateado, as pessoas cultivam o péssimo hábito de quererem o mais fácil, o mais barato, só que esquecem que por vezes sua matéria prima é de baixa qualidade o que compromete muito a qualidade e duração  da coisa em si.
Ainda mais um item de luxo e exclusivo como o Amor, é algo que não valhe muito a pena adquirir de baixa qualidade, pois ou se adquire um que dure a vida toda (conforme esta na bula) ou adquirem um que é solúvel na água.
Em épocas vindouras o Amor era adquirido através da conquista e sem clausula de devolução com garantia vitalícia.
Conquistava-se o Amor através de cortejo, poemas, romantismo, gentilezas, flores (por vezes roubadas), sorvetes e muitas horas dedicadas.
Aprendia-se a admirar o Amado e a conserta-lo quando preciso fosse, não sei se reparou, mas as musicas antigas que por vezes eram belíssimas pois retratavam em si amores exclusivos e de valor inestimavel, o modelo de amores original.
Hoje caro ou barato leitor, há uma oferta muito vasta, pior, boa parte dos que estão disponíveis são falsificados e ainda pior, aparentemente são idênticos ao autêntico.
Hoje em dia basta vasculhar nas redes sociais e lá podem aparecer inúmeros modelos, um mais belo que o outro os quais por vezes nos são oferecidos como “e-mails de spam”, o tempo inteiro chega-se mensagens de modelos oferecendo suas qualidades ou galanteando de maneira padrão oferecendo Amor.
O problema talvez nem seja a alta demanda, mas a forma pela qual as pessoas buscam, elas deixam que esses se apresentem e mostrem seus atributos, dai, se um simplesmente tem X qualidade ou defeito da qual a pessoa não se interessa, dar-se atenção à outras ofertas.
Dai caro leitor, o Amor genuíno tem defeitos, e o falsificado também, talvez a maior diferença deles seja a rigidez e duração, ambos atributos que só podem ser realmente testados pondo-os em uso e em situações de provações.
Agora como adquirir um genuíno, isso acredito eu que só observando como os mais velhos (nossos velhos) fizeram para conseguir e manter os seus.

Talvez seja a moda antiga.  

[Silver] O Sonho - 4/4 Desespero


Acordei assustado, olhei para o lado e Summer não estava mais ao meu lado, em seu lugar só os lençóis brancos amassados, ouvi um grito seguido de um choro, saltei da cama ainda um pouco desorientado e já apanhei minha G25 que estava sobre o criado mudo, corri em direção do barulho e vi no fim da sala a porta escancarada.

Avancei a sala tão rápido que não imagino como tenha passado os moveis, o sol já estava em seus últimos momentos, seu brilho já era dourado ainda intenso, gritei por Summer, mas sem resposta e eis que quando chego na porta vejo no hall social uma criança sentada ao chão, somente de frauda em prantos, quando ela me vê, olha em direção da porta do apartamento vizinho que estava escancarada, corro na direção apartamento vizinho e entre nele, com a arma em punho, e coração em ritmia, chamo por Summer mais uma vez e não ouço nada.

Vejo no fundo do corredor do apartamento uma luz e sigo em sua direção e lá, avisto uma a silhueta de uma pessoa de costas suspendendo Summer pelo pescoço com as duas mãos, neste instante ele a solta-a no chão, sem ao menos pensar caminho em sua direção disparando contra ele, que ao invés de cair, se vira em minha direção.

Um homem desfigurado, com pele queimada e olhos mortos vem em minha direção mesmo eu disparando contra seu corpo, e eis que aquela figura sem vida me segura também pelo pescoço e me ergue, posso ver em seus olhos um semblante de felicidade, sorrindo com seus dentes pretos.
Não consegui me desvencilhar de suas mãos, até que sinto meu corpo apagar, minha visão escureceu e só consigo sentir meu corpo caindo ao chão, quando aquela figura diabólica me largou no chão, minha visão começa a clarear enquanto consigo ver ele seguindo devagar em descalço em direção a porta do apartamento, sinto minhas forças retornarem, engatilhando sigo até Summer que estava a pouco mais de um metro de mim e vejo seu semblante já sem vida, seguro-a.

Levantei com uma força que não sei de onde surgiu, e fui em atrás daquele homem, e quando chego na porta do apartamento avisto  no fim do corredor um buraco na parede por onde ele some...
Corro em sua direção e assim como ele atravesso aquele buraco, nesse instante senti um enorme baque e despertei do sonho.